Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

04/07/2017

Arezzo cresce e pode superar meta de novas lojas no ano

Por Cibelle Bouças | De São Paulo

Birman, da Arezzo & Co: desempenho no 1º semestre foi favorecido por inaugurações e pela boa aceitação das coleções

A Arezzo & Co, dona das marcas Arezzo, Anacapri, Schutz, Alexandre Birman e Fiever, tem conseguido manter o ritmo de crescimento e prevê ultrapassar a meta de abertura de lojas neste ano – estipulada entre 25 e 30 unidades -, aproveitando o momento favorável para suas marcas.

“A Arezzo manteve um crescimento entre um dígito simples alto e dois dígitos baixos nos últimos dois anos, mesmo no pior momento da crise. As tendências do mercado de moda e nossa capacidade de acompanhar essas tendências têm exercido um impacto muito mais forte no negócio do que a crise política”, afirmou Alexandre Birman, presidente da Arezzo.

Birman acrescentou que o desempenho de vendas da companhia na primeira metade do ano foi favorecido pela abertura de lojas e pela boa aceitação das coleções lançadas. A Arezzo adota o modelo de moda rápida, com o lançamento de 15 a 16 coleções por ano e reposição de produtos nas lojas a cada 15 ou 20 dias.

No primeiro trimestre, a Arezzo teve um crescimento de 15,4% na receita líquida, para R$ 297,18 milhões. O lucro líquido avançou 51,1%, para R$ 22,17 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) aumentou 36,8%, para R$ 36,03 milhões. Boa parte desse aumento veio da abertura de lojas e da expansão dos negócios no comércio eletrônico.

O grupo teve uma abertura líquida de 19 lojas nos três primeiros meses do ano, em comparação com igual período de 2016, encerrando março com 562 unidades, sendo 48 próprias e 514 franquias. No segundo trimestre, a companhia abriu oito lojas da Anacapri, incluindo uma na rua Oscar Freire, na capital paulista, chegando a 88 unidades. “No ritmo de expansão atual, a Anacapri vai ultrapassar 100 lojas neste ano, certamente”, afirmou Birman.

Já a marca Arezzo manteve estável seu número de lojas – no fim do primeiro trimestre eram 381 unidades. A companhia desenvolve um modelo de franquia mais barata, com pontos menores, para cidades de pequeno porte. O projeto terá a primeira unidade piloto aberta em agosto. Birman disse que essas lojas terão faturamento anual entre R$ 90 mil e R$ 150 mil. As lojas tradicionais faturam, em média, R$ 220 mil por ano.

“É uma tentativa de continuar crescendo com franquias. A marca Arezzo já está presente nos maiores shopping centers e centros urbanos do país”, acrescentou.

O grupo abre em agosto a quarta loja da marca Alexandre Birman no país – a unidade será instalada no Rio de Janeiro. No segundo trimestre, a Arezzo abriu um showroom da Alexandre Birman e da marca Schutz nos Estados Unidos, em Nova York.

Birman considera que o negócio fora do Brasil tem maior potencial de crescimento. “A expectativa para a operação nos EUA é obter um faturamento de pelo menos US$ 25 milhões”, afirmou.

Para a marca Schutz, a Arezzo vê espaço para abertura de 4 a 5 lojas no ano. Em relação à Fiever, o grupo abriu duas unidades em São Paulo, chegando a quatro em operação. E ampliou sua distribuição nas lojas multimarcas, de 200 para 350 pontos de venda.

“As redes multimarcas voltaram a crescer neste ano”, disse Birman. Em 2016, a distribuição da Arezzo para esse canal de venda caiu 0,5%, para R$ 303,7 milhões. O faturamento total da companhia avançou 8,3%, para R$ 1,55 bilhão.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae