Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

13/09/2017

AUTOPEÇAS ELEVAM INVESTIMENTOS

Por Marli Olmos | De São Paulo

Ioschpe: novo uso do carro é suficiente para virar o setor “de cabeça para baixo”

Depois de três anos consecutivos de quedas no faturamento, nível de emprego e de investimento, a indústria de autopeças começa a respirar, embalada pelo aumento nas vendas de veículos nos mercados interno e externo e por suas próprias exportações. Nos próximos dias o Sindipeças, sindicato que representa o setor, vai rever a projeção que inicialmente indicava crescimento de 10% na produção de veículos este ano. “Essa previsão está muito defasada; devemos chegar em 20%”, afirma o presidente da entidade, Dan Ioschpe.

Até o primeiro quadrimestre, segundo Ioschpe, o volume de encomendas das montadoras refletia o aumento das exportações de veículos. “Mas desde maio começamos a detectar uma melhora proveniente do mercado interno”, destaca. “Temos agora duas frentes de demanda”, destaca.

A constatação de que a recuperação de fato chegou já levou essa indústria a reabrir postos de trabalho. Depois de sucessivos meses de retração houve aumento no nível de emprego de 0,59% em maio e de 0,29% em junho, em relação aos meses anteriores, segundo os últimos dados disponíveis.

Há um ano, as autopeças operavam com ociosidade de mais de 50%. Esse semestre começou com 34% e a tendência é diminuir. Somente em julho, a receita com exportações do setor – US$ 638,3 milhões- ficou 17,2% acima do total do mesmo mês em 2016. Na primeira metade do ano a participação das montadoras nas entregas do setor subiu de 58% para 62%.

Na véspera de o governo lançar uma nova política industrial para o setor, o Rota 2030, os dirigentes do setor de autopeças mostram-se animados Segundo o presidente da Cummins, fabricante de motores pesados, Luis Pasquotto, o programa que expira este ano, o Inovar-Auto, beneficiou mais as montadoras ao desestimular a entrada de carros importados. Segundo ele, pesquisa com os associados do Sindipeças mostrou que para dois terços deles o Inovar-Auto foi negativo ou indiferente para o setor.

Mas as coisas tendem a mudar no novo programa. Por isso, os fabricantes de autopeças preparam-se para investir mais. Para 2018, o Sindipeças projeta investimentos de US$ 2,5 bilhões, o que significa voltar aos níveis de 2014 e quase dobrar o volume de 2016, que ficou em US$ 1,5 bilhão.

No Rota 2030, a ajuda governamental aos fabricantes de autopeças não virá por meio de benefícios fiscais ou financiamento, como chegou-se a cogitar. Segundo Ioschpe, a ideia é ampliar a participação das empresas em ferramentas já existentes. Na mais importante, diz ele, recursos do governo ajudam a criar grupos nos quais as empresas maiores orientam as menores em temas como gestão e, principalmente, a necessidade de avançar em pesquisa e desenvolvimento para adequar-se às mudanças nos automóveis.

“Nosso setor vive um momento de rupturas, com um futuro desafiador”, disse Ioschpe ontem, durante palestra em seminário da Associação Brasileira da Engenharia Automotiva (AEA). “Os novos usos de um veículo, que passa a ser não próprio ou compartilhado, já são suficientes para virar nosso setor de cabeça para baixo”, disse a uma plateia lotada de engenheiros.

As mudanças o surpreendem. “Há doze meses não imaginávamos que o desenvolvimento do carro elétrico seria tão rápido. Mas tudo mudou quando a China, maior mercado do mundo, estabeleceu metas agressivas para o uso dessa fonte de energia. Isso pressiona os europeus”, afirma.

Para Ioschpe, o Brasil passou um período “alheio” à inserção competitiva desse setor, um dos mais globalizados do mundo. Isso ocorreu, diz, porque tirava-se proveito do crescente mercado interno. Mas a crise fez essa indústria acordar. Para ele, o novo programa setorial e o acordo entre Mercosul e União Europeia darão ao país a chance de buscar mais competitividade. “Dessa forma poderemos diminuir a distância entre os carros vendidos aqui e no resto do mundo.”

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae