Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

07/07/2017

Bradesco pede mudança na recuperação da PDG

Por Chiara Quintão | De São Paulo

O Bradesco protocolou, ontem, documento no qual manifesta sua avaliação de que empreendimentos com patrimônio de afetação devem ser excluídos da recuperação judicial da PDG Realty. Esta é a mesma posição adotada pelo banco no processo da Viver Incorporadora. O banco entende também que PDG precisa apresentar planos individuais por recuperanda para apreciação pelos respectivos credores.

No início de junho, a PDG apresentou 38 planos de recuperação, com débitos totais de R$ 7,3 bilhões, dos quais R$ 5,75 bilhões são passíveis de recuperação. O plano principal inclui a controladora e a maior parte das 512 sociedades de propósito específico (SPEs) da companhia. Cada um dos 37 planos individuais se refere a um empreendimento com afetação.

Na prática, se o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho, da 1ª Vara de Falências e Recuperações de São Paulo acatar a posição do Bradesco, a companhia terá de alterar sua recuperação judicial e encontrar uma forma de tornar viável a apresentação de 512 planos – tarefa nada trivial.

Procurada pelo Valor, a PDG não comentou o assunto, mas fonte que acompanha o caso diz que a companhia ainda não sabe o que fará e que está no aguardo do posicionamento dos demais bancos que compõem a lista de seus principais credores – Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco e Santander, que devem se manifestar nesta sexta-feira.

Até ontem, o que se comentava era que os bancos públicos seriam contrários à inclusão e que Itaú e Santander tinham posição favorável, mas a manifestação do Bradesco suscitou dúvidas se as instituições iriam manter suas posturas iniciais.

Antes do juiz encarregado do caso, a KPMG – administradora judicial da PDG – precisará se manifestar em relação ao imbróglio. O Valor apurou que o juiz tem demonstrado preocupação de que os adquirentes dos imóveis da PDG “não fiquem desamparados” e dito aos bancos que precisam desembolsar recursos para a continuidade das obras.

Segundo parecer apresentado ontem pelo escritório Cepeda, Greco & Bandeira de Mello Advogados, que representa o Bradesco, a inclusão de SPEs com ou sem patrimônio de afetação em uma recuperação judicial é incompatível. O parecer cita também que a situação das recuperandas não é homogêneo – algumas com condição equilibrada, outras com maiores dificuldades, parte superavitária, outra parcela deficitária.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae