img_817x460$2015_11_25_11_35_08_269145

Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

nestle-logo (1)

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

carf-20150430-041

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

qual-dif-entre-trib-imp-fig-1

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

jbs (1)

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

asdssaffsfa

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

imoveiss

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

Recuperação_02_06_17

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

carbono

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

armazem_2

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

29/06/2017

Bradesco vai avaliar recuperação da PDG até dia 6

bradesco

Por Chiara Quintão | De São Paulo

A PDG Realty e o Bradesco protocolaram, nesta semana, petição em que pedem que o prazo para que o banco se manifeste sobre a inclusão ou não de patrimônio de afetação na recuperação judicial da incorporadora, que terminava hoje, seja estendido para 6 de julho. Não há consenso entre os bancos credores da PDG – Banco do Brasil (BB), Bradesco, Caixa Econômica Federal (CEF), Itaú Unibanco e Santander – sobre a manutenção das sociedades de propósito específico (SPE) afetadas na recuperação.

Segundo o presidente da PDG, Vladimir Ranevsky, a postergação do prazo pleiteada pela companhia e pelo Bradesco é válida também para outros bancos credores. “Teremos mais tempo para esclarecer questões relativas à permanência do patrimônio de afetação dentro da recuperação. Esta é uma discussão importante com os bancos que vai balizar o setor”, disse Ranevsky. Segundo ele, o plano de recuperação da PDG demonstra que os recursos das SPEs com afetação serão preservados e servirão aos próprios empreendimentos.

Procurado, o Bradesco não comentou o assunto.

No início do mês, a PDG apresentou 38 planos de recuperação, com débitos totais de R$ 7,3 bilhões, com R$ 5,75 bilhões passíveis de recuperação. O plano principal inclui a controladora e a maior parte das 512 sociedades de propósito específico (SPEs) da companhia. Cada um dos 37 planos individuais se refere a um empreendimento com afetação.

Segundo Ranevsky, se for considerado que os empreendimentos com afetação não podem ser incluídos na recuperação judicial, a PDG terá de encontrar outra solução, mas isso não implicará falência da companhia.
Com PDG e Viver, a recuperação judicial está sendo testada, no setor, pela primeira vez, desde a criação do patrimônio de afetação, após a quebra da Encol. O rumo desses dois processos irá definir a jurisprudência do setor.

A Viver tem 16 SPEs com patrimônio afetado, para as quais apresentou planos individuais de recuperação. Recentemente, três desembargadores da 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo – Fabio Tabosa, Claudio Godoy e Alexandre Marcondes – avaliaram que as SPEs da Viver com patrimônio afetado não deveriam ser levadas à recuperação judicial.

Com esse entendimento, os desembargadores acataram, justamente, agravo apresentado pelo Bradesco, que pedia que os empreendimentos com afetação não fossem incluídos na recuperação Viver. O Valor apurou que a companhia avalia que terá mais força para recorrer dessa decisão se o Bradesco apresentar posição diferente em relação ao patrimônio afetado na recuperação da PDG.

Procurada, Viver não comentou o assunto. A empresa aguarda a manifestação do juiz Paulo Furtado de Oliveira filho, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, em relação ao acórdão dos desembargadores.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae