Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

20/03/2017

Central de duplicatas busca melhorar oferta de crédito à pequena empresa

Por Flavia Lima | De São Paulo

Solimeo, da ACSP: mercado se organizou para lidar com falta de transparência

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) se adiantou à agenda do governo que, entre outros pontos, inclui o esforço de redução de risco de crédito, ao criar um ambiente centralizado para registro de duplicatas mercantis – a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC). A intenção é dar segurança a esse tipo de operação, reduzindo juros e elevando a oferta de crédito especialmente às pequenas e médias empresas.

Embora a recessão tenha reduzido a demanda por capital de giro, a associação comercial avalia que, aos poucos, as empresas voltam a demandar esse tipo de recurso e um ambiente de maior transparência deve favorecer essa retomada. Dados do Banco Central compilados pela associação comercial indicam que o mercado de crédito que usa a duplicata como garantia de financiamento de empresas movimenta cerca de R$ 400 bilhões por ano.

O objetivo com a plataforma é que qualquer fato que altere o lastro de uma duplicata – a nota fiscal eletrônica ligada a ela – seja comunicado, barrando a tentativa de emitir mais de uma duplicata sobre a mesma nota fiscal, o que seria capturado pelo sistema de informações. Isso reduziria a percepção de risco por parte do agente financeiro, ajudando na classificação de crédito de seus clientes.

Em poucos segundos, o credor conseguirá saber se a nota fiscal por trás do recebível existe e é válida; se o cedente e o sacado (o vendedor e o comprador) estão regulares perante a Receita, se a mercadoria foi transportada, além de outros dados sobre o dia a dia da transação que originou a nota.

A ideia é que o banco não precise esperar o vencimento do título para saber se vai receber – e essa transparência abre espaço para melhores taxas. A associação não dimensionou, porém, o tamanho do impacto da plataforma sobre o custo de financiamento.

Segundo Marcel Solimeo, superintendente institucional da ACSP, o mercado financeiro se organizou para lidar com a falta de transparência nesse tipo de operação, demandando excesso de garantias ou aplicando taxas de desconto muito altas. “Quando exijo 180% de garantia, isso faz com que haja dinheiro preso no sistema.”

Para muitas empresas, diz Solimeo, as contas a receber são o ativo mais importante, muito usado no financiamento de capital de giro de curto prazo. Mas quando o empresário, especialmente o de menor porte, tenta antecipar esses recebíveis, o banco geralmente faz sua análise de crédito com base em informações passadas e com pouca segurança sobre os papéis.

Para Solimeo, a forma de melhorar a relação entre pequeno empresário e o mercado financeiro é ajudar os bancos a separar o joio do trigo. “O novo sistema garante a unicidade e o objetivo claro é dar à duplicata um papel de garantia bem mais forte do que tem hoje”, afirma ele.

A associação negocia a ferramenta com os bancos. A ideia, diz o diretor-geral da CRDC, Fernando Kalleder, é que, em troca da redução de riscos e de perdas, as instituições adotem a plataforma e reduzam a sua a estrutura de custos. Kalleder explica que não há obrigatoriedade do registro, mas, com o passar do tempo, deve ficar mais claro que a maior visibilidade favorece os envolvidos. As negociações com os bancos estão em fase de detalhamento da integração de sistemas.

A plataforma está em operação há cerca de um ano, mas em uma escala relativamente pequena – cerca de R$ 4 bilhões passaram pelo sistema no período. A associação aguarda o governo soltar a regulamentação do setor para poder avançar. A central, contudo, já se diz preparada para atender os requisitos da norma.
Há dez dias, o BC colocou em consulta pública uma proposta sobre registro e depósito de ativos financeiros. A minuta estará disponível até 2 de maio.

Na plataforma existem hoje mais de 30 mil empresas – basicamente indústrias e atacadistas de pequeno e médio porte -, que negociam seus títulos diariamente com agentes financeiros. Factorings e fundos de recebíveis já usam a plataforma e bancos médios estão em fase de testes.

Do novo negócio, a Associação Comercial de São Paulo tem uma fatia de 70%. O restante são dos executivos envolvidos no projeto. Para o futuro, a ideia é ampliar as funções e fazer, entre outras coisas, controle de recebíveis não padronizados, contratos, além recebíveis do setor de serviços.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae