Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

06/09/2017

CHINA COMPRA MAIS, MAS OFERTA MAIOR SEGURA PREÇO DE LÁCTEOS

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Variáveis opostas no mercado internacional de lácteos têm segurado os preços do leite em pó integral – o produto mais negociado do segmento – numa faixa entre US$ 3.000 e US$ 3.300 por tonelada e limitado as oscilações. Ontem, no leilão da plataforma Global Dairy Trade (GDT), o índice de preços dos lácteos, que compreende uma cesta de produtos, teve leve alta, de 0,3%, para US$ 3.323 por tonelada.

Embora o índice tenha registrado valorização, a cotação do leite em pó integral caiu 1,6%, para US$ 3.100 por tonelada. O leite desnatado recuou 1,2%, para US$ 1.944 por tonelada. A ligeira alta no índice foi garantida pelo aumento dos preços de outros lácteos, como a manteiga (alta de 3,8%) e a gordura láctea anidra (avanço de 3,6%).

Os preços do leite integral no leilão GDT têm oscilado entre US$ 3.000 e US$ 3.300 desde o início do ano, à exceção de um período de maior pressão entre fevereiro e começo de maio.

Ainda que haja indicadores de aumento da demanda, com a volta da China às compras, há aumento na produção de leite dos principais países produtores, o que explica o comportamento do mercado, diz Valter Galan, analista da consultoria especializada MilkPoint.

Entre janeiro e julho deste ano, o país asiático importou 496 mil toneladas de leite em pó integral e desnatado, alta de 11% sobre igual período de 2016 (quase 50 mil toneladas adicionais). Considerando só o mês de julho, o país importou 41 mil toneladas de leite integral (ante 25 mil em julho de 2016) e 26 mil toneladas de leite desnatado, o dobro de um ano antes, conforme dados compilados pelo MilkPoint. Os país também ampliou as importações de queijo e de manteiga de janeiro a julho.

Para Galan, os dados indicam que a China está “efetivamente voltando ao mercado de lácteos, não só leite em pó”, o que pode sinalizar alta do preço internacional.

Em contrapartida, há fundamentos que indicam recuo dos preços, como a alta da produção e de estoques em exportadores, observou. Conforme dados compilados pela consultoria, entre janeiro e julho a produção de leite no Uruguai subiu 6,9% na comparação com o mesmo período anterior. Na Argentina, a alta foi de 0,4% em igual comparação e nos EUA, de 1,5%. Na Nova Zelândia, a alta foi de 3,9% de janeiro a junho – só em junho, foi de 20,4% – e na União Europeia, houve queda de 0,7%.

Além disso, os estoques de leite desnatado cresceram na UE, para 385 mil toneladas (eram de 332 mil toneladas em igual momento de 2016). Nos EUA subiram para 135 mil toneladas (eram de 105 mil toneladas).

“Se de um lado, a China aponta para avanço da demanda, do outro a produção e os estoques apontam para arrefecimento de mercado”, afirma Galan.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae