Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

25/07/2017

Coca-Cola Femsa tem crescimento de 12% em volume

Por Cibelle Bouças e Tatiane Bortolozi | De São Paulo

A Coca-Cola Femsa, maior engarrafadora da Coca-Cola na América Latina, fechou o segundo trimestre com vendas de 12,237 bilhões de pesos mexicanos (R$ 2,18 bilhões) no Brasil. Em comparação ao segundo trimestre de 2016, as vendas cresceram 32,1%. Em volume, as vendas no país aumentaram 12,4%, para 166,3 milhões de caixas.

As vendas de refrigerantes cresceram no período 14,8%, para 149,8 milhões de caixas. A venda de água avançou 13,2% para 4,6 milhões de caixas. As vendas de galões de água subiram 8,3%, para 1,3 milhão de unidades. Já as vendas de sucos recuaram 1,3% no trimestre, para 7,7 milhões de caixas.

O desempenho, de acordo com a companhia, foi favorecido pela incorporação dos negócios da Vonpar, adquirida em dezembro de 2016 pela Spal, controlada da Femsa no Brasil, por R$ 3,51 bilhões. A Vonpar eleva em 25% o volume de bebidas produzidas pela Spal no Brasil, chegando a uma participação de mercado de 49% dos produtos Coca-Cola no país.

Além dos resultados de vendas, a Coca-Cola Femsa informou que deve encerrar em 31 de outubro deste ano o contrato de distribuição de bebidas da Heineken no Brasil. O acordo original entre as duas companhias tinha vencimento em 2022. A Femsa recebeu uma carta da Heineken no dia 3 de julho, informando a sua decisão de encerrar o contrato neste ano.

Após adquirir a Brasil Kirin, por R$ 2,2 bilhões, a Heineken anunciou que pretendia fortalecer o sistema de distribuição próprio da companhia e, em consequência, antecipar o fim da parceria com a Coca-Cola Femsa, que até então era responsável por toda a distribuição das marcas da Heineken.

A Brasil Kirin possui uma rede de 180 revendedores e 20 centros de distribuição, que atendem em torno de 600 mil pontos de vendas no país, contra 1 milhão de pontos de vendas alcançados pelo sistema Coca-Cola Brasil.

Em comunicado, a Coca-Cola Femsa informou que estuda “ações possíveis” e “está em busca de um diálogo construtivo com a Heineken”. Em teleconferência, o diretor financeiro, Hector Trevino, disse que buscará uma compensação financeira pela quebra do contrato.

Globalmente, a Coca-Cola Femsa registrou crescimento de 11,4% do lucro líquido no segundo trimestre, para 2,23 bilhões de pesos mexicanos (US$ 126,8 milhões). A receita cresceu 25,5%, para 50,11 bilhões de pesos mexicanos (US$ 2,85 bilhões). Excluído o efeito cambial, a receita subiu 1,9% no período, impulsionada por aumentos de preço na maior parte das operações e o aumento de volume no México.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae