Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

21/03/2017

Custo menor de crédito vai reduzir o spread, diz presidente da Febraban

Por Eduardo Campos | De Brasília

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal, afirmou que a redução do spread bancário é um item na agenda do Brasil e que há uma visão equivocada de que os bancos gostam de juros altos. “Os bancos gostam de empresar e de receber o valor emprestado de volta”, disse Portugal, antes de participar de evento da Associação de Educação Financeira do Brasil (AEF-Brasil).

Questionado sobre o andamento da agenda do Banco Central (BC) para a redução do spread, Portugal disse que o projeto caminha bem e que o diagnóstico está correto. Como a inadimplência representa 54% do spread, segundo dados do BC, o presidente da Febraban afirmou que a redução do custo de crédito vai estreitar o diferencial entre o custo de captação e para o tomador final. O executivo lembrou que a recuperação de créditos, mesmo com garantias, é fraca no país, e que o custo tributário é elevado em comparação com outros países. Portugal observou ainda que o lucro dos bancos representa 16% do spread.

Portugal e o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CMV), Leonardo Pereira, que também é presidente do Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef), apresentaram as tecnologias de um programa de educação financeira para adultos. O foco está nos aposentados com renda de até dois salários mínimos e mulheres beneficiárias do Bolsa Família. O projeto contou com financiamento do Banco Mundial e teve pesquisadores morando com as famílias para entender hábitos e linguagem para o programa.

Segundo Portugal, em maio será possível mensurar os resultados da iniciativa que atendeu 49 municípios de 16 Estados mais Distrito Federal.

Pereira lembrou que só 1% dos aposentados consegue se sustentar por conta própria, 46% dependem de ajuda dos parentes e 25% têm de seguir trabalhando. “Esse público é vulnerável. Por isso, precisa de educação até para prevenir o superendividamento.”

Portugal afirmou que aos bancos não interessa a contratação desmedida de dívida, mas facilitar o funcionamento da economia e procurar dar apoio a quem precisa de crédito. “O ganho dos bancos está associado à prosperidade dos seus clientes. Temos preocupação em garantir a sustentabilidade dessa prosperidade”, disse.

Por isso, afirmou Portugal, o sistema bancário incorporou a educação financeira como prioridade. “Queremos, além de fornecer crédito, fornecer condições para que as dívidas possam ser honradas e o dinheiro, bem utilizado para que o beneficiário melhore sua vida e saia satisfeitos com os bancos.”

Antes disso, o presidente da Febraban lembrou que os bancos foram capazes de ampliar sua cobertura para uma parcela da população que não era servida com crédito e que isso foi feito com prudência e qualidade na concessão. Isso fez dos bancos uma solução e não um problema no momento de queda da atividade, segundo ele.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae