Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

23/05/2017

Dólar e juros futuros voltam a registrar alta com incerteza política

Por José de Castro e Lucas Hirata | De São Paulo

Depois do alívio da sexta-feira, os mercados de câmbio e renda fixa voltaram a sentir a pressão da persistente incerteza política. Os juros futuros de prazos intermediários negociados na BM&F não só anularam a queda da sessão anterior como superaram os níveis alcançados no fim da quinta-feira, quando os mercados foram tomados por uma onda de zeragem de posições.

O dólar fechou em alta de 0,60%, a R$ 3,2749. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2021 avançou para 11,55% ao ano, ante 11,17% no último ajuste e acima dos 11,39% de quinta-feira.

Em outra evidência da percepção de risco ainda latente, a inclinação entre os contratos DIs com vencimento em janeiro de 2021 e janeiro de 2019 voltou a bater recorde, indo a 1,28 ponto percentual. Ou seja, o mercado elevou o retorno extra pedido para aplicar em vértices mais longos.

A percepção é que o noticiário de fim de semana indicou mais pressão sobre Michel Temer. Há avaliações de que a postura combativa do presidente amplia riscos de mais demora na resolução da atual crise política, o que mantém travada a agenda de reformas.

Por isso, ainda não há consenso claro no mercado em relação ao melhor cenário para os negócios. Mas, na margem, tem crescido o número de agentes financeiros que veem na renúncia de Temer a melhor solução. Uma renúncia seria a saída mais honrosa, segundo esses profissionais, que apostam na eleição indireta de uma autoridade com capacidade para reativar a agenda de reformas.

O profissional de um banco em São Paulo diz que a ansiedade do mercado por resolução da crise hoje reflete anseios de troca de comando. A saída do peemedebista e a escolha de um representante de sua base aliada, em eleição indireta, seria o cenário mais favorável ao mercado e poderia reestabelecer as iniciativas reformistas antes da próxima eleição, em 2018.

“O mercado fica muito apreensivo quando vê que o presidente, fragilizado, procura resistir e ainda não discute uma alternativa”, diz. Na avaliação do profissional, “a necessidade de reformas é mais importante do que o nome de quem está liderando o processo”.

Um indicativo do incômodo com a decisão de Temer de não renunciar pôde ser visto já na quinta-feira, quando os ativos sofreram o primeiro grande ajuste após o estouro da crise. Às 16h do pregão de quinta – antes do pronunciamento de Temer -, o dólar operava em alta de 6,67%. Após Temer afirmar que não renunciaria, a moeda acelerou a alta, fechando com ganho de 8,06%, o mais forte em 18 anos.

Para o gestor de multimercados de uma casa em São Paulo, o presidente perdeu credibilidade para negociar com o Congresso as pautas econômicas – principalmente a reforma da Previdência, que já enfrenta resistência da sociedade civil. E essa situação torna mais melindroso o processo de negociação com os parlamentares. “O mais importante agora é que venha alguém do Congresso com força para fazer essas negociações”, afirma esse gestor, que vê rali “expressivo” nos mercados caso o presidente renuncie. Ele estima 80% de probabilidade de Temer não encerrar seu mandato.

Dado o grau de incerteza, esse gestor tem construído posições que se beneficiam da alta do dólar, do cupom cambial (juro em dólar) e do Credit Default Swaps (CDS, derivativo que funciona como uma espécie de seguro contra calote). Por outro lado, está “levemente aplicado” em juros ao longo do primeiro semestre de 2018, ainda vislumbrando o ciclo de alívio monetário. “No líquido, estamos levemente otimistas. Mas apenas levemente.”

Já o profissional de tesouraria de um grande banco na capital paulista não mostra tanta convicção sobre a saída de Temer ser a melhor solução. “A agenda dele é correta, e os políticos se dão conta de que não há plano B. Portanto, com ou sem Temer não vejo mudança na política econômica”, afirma.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae