img_817x460$2015_11_25_11_35_08_269145

Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

nestle-logo (1)

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

carf-20150430-041

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

qual-dif-entre-trib-imp-fig-1

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

jbs (1)

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

asdssaffsfa

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

imoveiss

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

Recuperação_02_06_17

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

carbono

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

armazem_2

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

30/06/2017

Hines volta a avaliar oportunidades no setor

real-estate-definitions-770x360

Por Chiara Quintão | De São Paulo

Antonio Ferreira, presidente: “A Hines tem visão de longo prazo e sabe como navegar em cada momento do ciclo”
A Hines – gestora de fundos focada no mercado imobiliário e desenvolvedora de empreendimentos – avalia que este é um bom momento para se investir no setor e volta a avaliar oportunidades nos segmentos residencial, comercial e de galpões. A empresa tem interesse em desenvolver projetos de imóveis residenciais e de galpões e intenção de retomar, no segundo semestre ou no início de 2018, aquisições de escritórios comerciais e de imóveis industriais.

“A Hines tem visão de longo prazo e sabe como navegar em cada momento do ciclo”, afirma o presidente da empresa no Brasil, Antonio Ferreira. A empresa projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do país ficará estável, neste ano, ou terá alta de até 1%, com crescimento de 2% em 2018. Ferreira ressalta que a Hines tem fôlego para manter os ativos imobiliários em carteira até que a economia volte a crescer.

No segmento de galpões, a busca é por oportunidades para novos desenvolvimentos, principalmente, de projetos com perfil especulativo, ou seja, sem locação prévia, mas a empresa não descarta construções sob medida (build to suit) “Observamos melhora considerável no nível de demanda por galpões neste ano”, afirma Ferreira.
A Hines tem 850 mil metros quadrados em galpões de alto padrão, distribuídos em São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus. O último desenvolvimento foi entregue no começo de 2016. Trata-se do principal segmento de atuação da Hines Brasil.

Segundo Ferreira, um novo ciclo de desenvolvimento de escritórios começará em 2021 e 2022 na cidade de São Paulo. A Hines tem, em seu portfólio, dois prédios de escritórios – um deles locado para a Nestlé, localizado na zona Sul da capital paulista.

No mercado residencial, a Hines tem interesse em aquisição de projetos e de terrenos com processo avançado de obtenção de licenças. A gestora pretende lançar empreendimentos a partir do próximo ano ou de 2019, em parceria com incorporadoras. As unidades serão direcionadas para a média-alta renda. Na avaliação do executivo, os preços dos imóveis residenciais começarão a ter alta em 2018. “Mas os distratos, grande assunto do segmento residencial, precisam ser regulamentados”, pondera.

Em outubro de 2015, A Hines comprou 42,5% do projeto Jardim das Perdizes – em desenvolvimento na cidade de São Paulo -, no qual a Tecnisa tem a fatia majoritária de 57,5%. “Estamos satisfeitos com a participação no Jardim das Perdizes. O mercado residencial mostrou recuperação no início do ano”, diz Ferreira.

Também no último trimestre de 2015, a empresa adquiriu do Credit Suisse quatro projetos residenciais, na Vila Mariana, também na capital paulista, em parceria com a Stuhlberger Construtora e Incorporadora, que eram, originalmente, da OAS Empreendimentos. Esses empreendimentos foram dados ao banco de investimentos como garantia ao pagamento de dívidas da OAS.

Quando o Credit assumiu os projetos, as obras estavam interrompidas e mais de 80% das unidades tinham sido vendidas. Houve distrato de metade do total comercializado. Ao assumir os empreendimentos, Hines e Stuhlberger renegociaram novos prazos de entrega com os compradores e suspenderam os esforços de vendas por um ano. Atualmente, os projetos, que serão concluídos entre dezembro e março de 2018, têm 73% das unidades vendidas em média.

Recentemente, a Hines lançou seu primeiro empreendimento em parceria com a Vitacon, com apartamentos de 16 metros quadrados a 40 metros quadrados, na Vila Mariana. “Em uma semana, as vendas chegam a 50% das unidades, a maior parte para usuários finais. Mas começamos a perceber a volta do pequeno investidor, que compra uma unidade para renda futura”, diz.

A incorporadora e a Hines fecharam parceria, em fevereiro, para quatro projetos, nos quais os aportes da gestora vão somar R$ 600 milhões.

Segundo o presidente da Hines Brasil, na média, as vendas das unidades dos empreendimentos residenciais nos quais tem participação foram boas em janeiro e fevereiro, muito boas em março, acomodadas em abril, ruins em maio e boas em junho.

No segundo semestre, a Hines vai inaugurar, em Taubaté (SP), seu primeiro empreendimento de outlet. O projeto, com mais de 21 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL), recebeu investimentos de R$ 100 milhões.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae