size_960_16_9_shopping-aliansce-belem

General Shopping sai de lucro para prejuízo líquido de R$ 72,9 milhões

Por Valor | Valor SÃO PAULO – A General Shopping registrou prejuízo líquido de R$ 72,9 milhões no segundo trimestre de 2017, depois de ter apurado um lucro líquido de […]

20141022103546_banco-pine-3

Prejuízo do Banco Pine aumenta três vezes no segundo trimestre

Por Toni Sciarretta | Valor SÃO PAULO – O Banco Pine registrou prejuízo líquido de R$ 21,333 milhões no segundo trimestre, resultado três vezes superior ao prejuízo líquido de R$ […]

lojas-marisa-trabalhe-conosco

Marisa espera recuperação tímida

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Marcelo Araujo, presidente da Marisa: “cenário não está muito animador” Depois de apresentar piora nas vendas no segundo trimestre do ano, a Marisa […]

Carrefour_Aubervilliers__Paris__14_

Carrefour paga R$ 2,4 Bi em dívida e injeta R$ 1,2 Bi em empresa

Por Por Adriana Mattos | De São Paulo O Carrefour já usou R$ 2,37 bilhões da oferta primária de ações, de quase R$ 3 bilhões (excluindo comissões e despesas), ou […]

brf-rr-26

BRF voltou a registrar prejuízo no segundo trimestre

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo Pelo terceiro trimestre consecutivo, a BRF ficou no vermelho. Donas das marcas Sadia e Perdigão, a empresa reportou ontem um prejuízo líquido […]

8b35d755de950f1b46a617d0578f38d6_XL

Varejo de moda prevê aumento de vendas

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Redes varejistas de moda apresentaram, de modo geral, melhora no desempenho do segundo trimestre devido a um início de recuperação do consumo e, […]

banco-daycoval

Daycoval vê melhora do crédito no 2º semestre

Por Vinícius Pinheiro | De São Paulo Com a melhora dos indicadores de confiança da economia e a queda dos juros, a demanda por crédito deve começar a reagir no […]

biosev_editada2_web

Prejuízo da Biosev cresceu 63%

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A sucroalcooleira Biosev, controlada pela francesa Louis Dreyfus Company, teve um prejuízo líquido de R$ 577 milhões no primeiro trimestre da safra […]

size_960_16_9_m_dias

M.Dias Branco avança em plano de parque fabril

Por Cibelle Bouças | De São Paulo A M. Dias Branco, fabricante de massas e biscoitos dona de marcas como Adria, Vitarella e Fortaleza, informou que espera começar ainda neste […]

Restoque1

Restoque fecha 26 lojas e 2 fábricas

Por Cibelle Bouças | De São Paulo Plano de corte de despesas continua neste semestre, segundo comando do grupo, que agora tem 301 pontos de venda A Restoque, dona de […]

30/06/2017

Hines volta a avaliar oportunidades no setor

real-estate-definitions-770x360

Por Chiara Quintão | De São Paulo

Antonio Ferreira, presidente: “A Hines tem visão de longo prazo e sabe como navegar em cada momento do ciclo”
A Hines – gestora de fundos focada no mercado imobiliário e desenvolvedora de empreendimentos – avalia que este é um bom momento para se investir no setor e volta a avaliar oportunidades nos segmentos residencial, comercial e de galpões. A empresa tem interesse em desenvolver projetos de imóveis residenciais e de galpões e intenção de retomar, no segundo semestre ou no início de 2018, aquisições de escritórios comerciais e de imóveis industriais.

“A Hines tem visão de longo prazo e sabe como navegar em cada momento do ciclo”, afirma o presidente da empresa no Brasil, Antonio Ferreira. A empresa projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do país ficará estável, neste ano, ou terá alta de até 1%, com crescimento de 2% em 2018. Ferreira ressalta que a Hines tem fôlego para manter os ativos imobiliários em carteira até que a economia volte a crescer.

No segmento de galpões, a busca é por oportunidades para novos desenvolvimentos, principalmente, de projetos com perfil especulativo, ou seja, sem locação prévia, mas a empresa não descarta construções sob medida (build to suit) “Observamos melhora considerável no nível de demanda por galpões neste ano”, afirma Ferreira.
A Hines tem 850 mil metros quadrados em galpões de alto padrão, distribuídos em São Paulo, Rio de Janeiro e Manaus. O último desenvolvimento foi entregue no começo de 2016. Trata-se do principal segmento de atuação da Hines Brasil.

Segundo Ferreira, um novo ciclo de desenvolvimento de escritórios começará em 2021 e 2022 na cidade de São Paulo. A Hines tem, em seu portfólio, dois prédios de escritórios – um deles locado para a Nestlé, localizado na zona Sul da capital paulista.

No mercado residencial, a Hines tem interesse em aquisição de projetos e de terrenos com processo avançado de obtenção de licenças. A gestora pretende lançar empreendimentos a partir do próximo ano ou de 2019, em parceria com incorporadoras. As unidades serão direcionadas para a média-alta renda. Na avaliação do executivo, os preços dos imóveis residenciais começarão a ter alta em 2018. “Mas os distratos, grande assunto do segmento residencial, precisam ser regulamentados”, pondera.

Em outubro de 2015, A Hines comprou 42,5% do projeto Jardim das Perdizes – em desenvolvimento na cidade de São Paulo -, no qual a Tecnisa tem a fatia majoritária de 57,5%. “Estamos satisfeitos com a participação no Jardim das Perdizes. O mercado residencial mostrou recuperação no início do ano”, diz Ferreira.

Também no último trimestre de 2015, a empresa adquiriu do Credit Suisse quatro projetos residenciais, na Vila Mariana, também na capital paulista, em parceria com a Stuhlberger Construtora e Incorporadora, que eram, originalmente, da OAS Empreendimentos. Esses empreendimentos foram dados ao banco de investimentos como garantia ao pagamento de dívidas da OAS.

Quando o Credit assumiu os projetos, as obras estavam interrompidas e mais de 80% das unidades tinham sido vendidas. Houve distrato de metade do total comercializado. Ao assumir os empreendimentos, Hines e Stuhlberger renegociaram novos prazos de entrega com os compradores e suspenderam os esforços de vendas por um ano. Atualmente, os projetos, que serão concluídos entre dezembro e março de 2018, têm 73% das unidades vendidas em média.

Recentemente, a Hines lançou seu primeiro empreendimento em parceria com a Vitacon, com apartamentos de 16 metros quadrados a 40 metros quadrados, na Vila Mariana. “Em uma semana, as vendas chegam a 50% das unidades, a maior parte para usuários finais. Mas começamos a perceber a volta do pequeno investidor, que compra uma unidade para renda futura”, diz.

A incorporadora e a Hines fecharam parceria, em fevereiro, para quatro projetos, nos quais os aportes da gestora vão somar R$ 600 milhões.

Segundo o presidente da Hines Brasil, na média, as vendas das unidades dos empreendimentos residenciais nos quais tem participação foram boas em janeiro e fevereiro, muito boas em março, acomodadas em abril, ruins em maio e boas em junho.

No segundo semestre, a Hines vai inaugurar, em Taubaté (SP), seu primeiro empreendimento de outlet. O projeto, com mais de 21 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL), recebeu investimentos de R$ 100 milhões.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae