Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

04/02/2014

Ibovespa volta a recuar com Petrobras e elétricas

Depois do respiro de terça-feira, a bolsa brasileira voltou ao terreno negativo ontem, ajudada pela baixa das bolsas americanas e pela pressão vendedora sobre as ações da Petrobras e do setor elétrico. O adiamento da divulgação do balanço da estatal no quarto trimestre “pegou mal” no mercado, afirmaram operadores. As elétricas, por sua vez, repercutiram o apagão que atingiu o país na terça.

Lá fora, os investidores reagiram à divulgação do dado de geração de empregos no setor privado nos Estados Unidos, medido pela ADP. Foram criados 175 mil empregos em janeiro, abaixo dos 189 mil previstos por economistas. E a atividade do setor de serviços nos EUA, medida pelo ISM, subiu de 53 pontos em dezembro para 54 pontos em janeiro, acima dos 53,5 estimados, mas não conseguiu aliviar o clima negativo em Wall Street.

O índice Dow Jones caiu 0,03%, para 15.440 pontos; o Nasdaq recuou 0,50%, para 4.011 pontos; e o S&P 500 fechou em baixa de 0,20%, aos 1.751 pontos.

Já o Ibovespa terminou em queda de 0,72%, aos 46.624 pontos, com volume de R$ 6,590 bilhões.

Segundo o analista técnico da Clear Corretora, Raphael Figueredo, o Ibovespa caminha para o objetivo de baixa nos 45 mil pontos, com um “enrosco” no meio do caminho, o suporte de 46.100 pontos. “Depois desse ponto, a descida será sem escalas.”
Do lado positivo, os 47 mil pontos agora representam a primeira resistência a ser vencida para tentar aliviar a pressão vendedora no curtíssimo prazo, diz o especialista gráfico.

Petrobras PN (-1,84%, a R$ 13,83) chegou a cair mais de 3% no meio da tarde, logo após a notícia do adiamento do balanço do quarto trimestre. O movimento mereceu até um comentário do ministro Guido Mantega durante uma entrevista coletiva.
Mantega considerou um “absurdo” a reação do mercado à mudança na data do balanço, de 14 para 25 de fevereiro. Segundo o ministro, que também é presidente do Conselho de Administração da estatal, trata-se apenas de “uma questão técnica”. “Estamos reunindo os dados para a próxima reunião. É só isso.”

Quem evitou uma queda maior do Ibovespa foi Vale PNA (1,21%, a R$ 29,94). Além da ação PNA, Vale ON (2,54%) e Bradespar ON (1,48%), que possui ações da Vale em sua carteira de investimentos, também resistiram em alta.
O Morgan Stanley elevou a recomendação dos ADRs da Vale para “outperform” (compra), argumentando que o resultado operacional da mineradora no quarto trimestre deve surpreender os investidores.

BB Seguridade ON (2,19%) também subiu, após o Credit Suisse aumentar a recomendação das ações para “outperform”, citando a boa perspectiva de crescimento da companhia e a queda recente das cotações.

Porém, a maior parte das componentes do Ibovespa fechou no vermelho. Marfrig ON (-4,76%) puxou a fila, seguida de JBS ON (-4,52%) e das elétricas: Light ON (-4,13%), Cemig PN (-4,00%), Tractebel ON (-2,23%), CPFL ON (-2,15%) e Copel PNB (-1,52%).
Mantega admitiu que o governo pode voltar a ajudar as distribuidoras de energia, além dos R$ 9 bilhões previstos na Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Porém, segundo ele, ainda não há uma decisão sobre o tema.

Via: Jornal Valor

Clipping de notícias de Leonidas Herndl, com informações pertinentes do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae