Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

17/05/2017

Intermedium será o maior patrocinador do São Paulo até 2020

Por Gustavo Brigatto | De São Paulo

Menin, do Intermedium (à esq.), e Carlos Augusto de Barros e Silva, do SPFC: banco também investirá em outras ações

O banco mineiro Intermedium estendeu seu patrocínio ao São Paulo Futebol Clube (SPFC) e será o principal patrocinador do time até 2020. Com o acordo, o banco passará a exibir sua marca também na parte da frente da camisa do clube – ela já estava nas costas desde janeiro – e em mais espaços do estádio do Morumbi e no centro de treinamento na Zona Oeste de São Paulo. O contrato, que ainda precisa ser aprovado pelo conselho deliberativo, começa a valer a partir de 20 de junho, quando a empresa de tubos e conexões Corr Plastik deixará o uniforme do clube.

Segundo o Valor apurou, o contrato é superior a R$ 40 milhões pelo período de três anos e não prevê bonificações por títulos conquistados no período. O banco também vai colocar dinheiro em outras ações como a renovação da comunicação visual no estádio do Morumbi, o que elevará o valor investido. O Palmeiras com a Crefisa (R$ 72 milhões) e o Flamengo com a Caixa (R$ 25 milhões) têm, hoje, os maiores contratos de patrocínio máster do futebol brasileiro.

O acordo com o clube paulistano também inclui a exibição da marca da construtora MRV, que pertence aos mesmos controladores do Intermedium – a família Menin. A MRV ficará na parte da frente da camisa, na altura dos ombros. A estreia será no jogo de domingo, contra o Avaí, no Morumbi. A MRV patrocina outros sete times, como Atlético (MG) e Flamengo (RJ).

Segundo João Vítor Menin, presidente do banco, e torcedor do Atlético, os cinco meses de patrocínio ao SPFC tiveram um bom retorno em termos de exposição e aceitação da marca pelo torcedores, o que incentivou a ampliação do contrato. “Falei com a minha equipe de marketing que não podíamos perder essa oportunidade”, disse. Em 2016, o Intermedium patrocinou o América (MG).

Desde o ano passado, o Intermedium vem mudando seu perfil de atuação. De um banco regional, voltado a empréstimos e ao público de alta renda, ele passou a uma atuação nacional, com um leque mais amplo de produtos e serviços. Essa estratégia começou a ser executada com o lançamento de uma conta digital que não cobra tarifa dos clientes. Com pouco mais de um ano de vida, a modalidade chegou a 150 mil clientes em mais de 3,8 mil municípios, segundo Menin. A meta é fechar o ano com 300 mil e, em 2018, atingir 1 milhão. “Com essa exposição, passamos a precisar de um clube de escala, com história vencedora”, disse.

Entre os planos do Intermedium e do SPFC está o lançamento de um cartão de crédito que poderá oferecer benefícios aos torcedores e gerar receita para o clube.

O São Paulo é o time com a terceira maior torcida do Brasil, 18 milhões de pessoas. Seu programa de sócio-torcedor tem 130 mil inscritos, sendo 80 mil ativos.

De acordo com Carlos Augusto de Barros e Silva – presidente do clube, mais conhecido como Leco -, o acordo com o Intermedium representa uma retomada de credibilidade para São Paulo. Eleito no mês passado para um segundo mandato à frente do clube, Leco foi responsável pela adoção de um novo estatuto, que instituiu, entre outras coisas a criação de um conselho de administração e de metas para os departamentos.

O São Paulo é o quarto maior clube brasileiro em termos de receita. Em 2016, foram R$ 393,4 milhões, um incremento de 19% em relação a 2015. Os direitos de transmissão de TV tiveram um incremento de 52% e representaram um terço do total. O clube reverteu um prejuízo de R$ 72,52 milhões e apresentou lucro R$ 822 mil no ano passado. O endividamento subiu 7%, para R$ 385,3 milhões.

De acordo com Leco, o contrato com o Intermedium vai ajudar o SPFC no equacionamento de sua dívida e também na contratação de reforços nos próximos anos. “Uma grande equipe de futebol é dispendiosa, não é fácil de ser montada, mas é o nosso projeto. E com ela poderemos obter mais recursos para atingir os resultados almejados”, disse. O dirigente garantiu que Rogério Ceni continua como técnico da equipe mesmo diante do restrospecto recente ruim. “Os resultados foram insatisfatórios, mas não muda a visão de que ele tem qualidades para tocar bem esse barco”, disse.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae