Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

08/08/2017

Justiça manda avaliar marca Mesbla para venda

Por Rafael Rosas e Alessandra Saraiva | Do Rio

O juiz Fernando Viana, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, determinou que um perito judicial apresente “com urgência” uma metodologia de venda da marca Mesbla, antiga loja de departamentos fundada no Centro do Rio no início do século passado e que faliu em 1999. A marca hoje pertence à Mesbla S/A, do empresário Ricardo Mansur, que controlava a Mesbla Lojas de Departamentos (MLD), empresa que teve a falência decretada.

O juiz, no entanto, não tem o poder de determinar a venda da marca. A decisão tornada pública ontem tem como objetivo, segundo fontes, dar garantia a um eventual comprador do nome, já que o dinheiro da venda será usado para um segundo rateio entre os credores da MLD. Essa alocação dos recursos para pagamento dos credores evitaria o risco de que o comprador seja responsabilizado no futuro pelo passivo trabalhista da MLD. O segundo rateio foi determinado na decisão do juiz Viana.

O primeiro rateio entre os credores, em 2014, teve os recursos destinados aos ex-funcionários que tinham até o limite de 150 salários mínimos a receber e foi obtido com cerca de R$ 8 milhões de uma conta do Mappin, loja de departamentos paulista que também pertencia a Mansur e que, assim como a Mesbla, faliu.

Uma fonte explicou ao Valor que não há data para a apresentação dessa metodologia, que costuma demorar no mínimo 15 dias em processos desse tipo. O perito também terá que ratificar o quadro geral de credores.

Em 2014, 1.494 ex-funcionários da Mesbla receberam parte dos créditos trabalhistas, que somavam R$ 19,1 milhões. Na época, ao menos dois interessados estrangeiros na marca Mesbla procuraram a empresa para tentar estruturar um projeto de vendas pela internet, mas as conversas não avançaram. As fontes ouvidas pelo Valordisseram não ter conhecimento sobre eventuais interessados atualmente no nome da companhia, que no auge chegou a ter 180 pontos de venda em todo o país e 28 mil funcionários.

A origem da Mesbla é de 1912, quando chegou ao Brasil como uma filial da Mestre & Blatgé. Em 1916 passou a ser administrada por Louis La Saigne, que era subgerente da empresa francesa, na Argentina. Oito anos depois tornou-se autônoma, com o nome de Sociedade Anônima Brasileira Estabelecimentos Mestre et Blatgé. Em 1939 recebeu o nome de Mesbla, misturando as primeiras sílabas dos nomes do controlador inicial.

O grupo também atuava na venda de veículos, móveis e controlava uma financeira, mas na década de 80 passou a sofrer com a concorrência mais acirrada no varejo. O pedido de concordata veio em 1997. O controle acionário foi comprado no mesmo ano por Mansur, já dono do Mappin. A intenção era unir as duas redes. A polêmica administração, no entanto, levou à liquidação da Mesbla.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae