Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

20/03/2017

Klein define condições para fazer oferta pela Via Varejo

Por Adriana Mattos | De São Paulo

Michael Klein estuda opções diante do processo de venda da Via Varejo

Fundos de investimentos estiveram nos últimos dias com assessores ligados ao empresário Michael Klein na tentativa de alinhar uma proposta de compra da Via Varejo. O prazo de entrega das propostas ao Grupo Pão de Açúcar (GPA), controlador da varejista de eletroeletrônicos que reúne Casas Bahia e Ponto Frio, termina na sexta-feira. Klein considera um plano em que se tornaria controlador da Via Varejo, com pouco mais de 50% das ações, e teria autonomia na gestão, como antecipou ontem o Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.

A família Klein fundou a Casas Bahia em 1952 e em 2009 vendeu o controle para o GPA, que já era dono do Ponto Frio. Os Klein continuaram no grupo resultante da fusão das duas redes como acionistas minoritários. Agora, para voltar a controlar o negócio, o empresário pode adquirir 23% das ações (já tem 27,3% do capital) e a compra da parcela restante ficaria dividida entre um ou mais fundos. Nesse formato, parte das ações do GPA (detentor de 43,3% da Via Varejo) poderia ser vendida aos Klein e outra parte aos investidores.

As ações (units) da Via Varejo fecharam o pregão de sexta-feira em R$ 11,15, com a empresa valendo em bolsa R$ 4,8 bilhões. A soma não inclui o braço da Cnova, operação dos sites, que foi unida à Via Varejo recentemente.
O Valor apurou que o controlador francês do GPA, o grupo Casino, não aceitaria uma oferta por menos de R$ 13 por ação. As condições da proposta têm que respeitar o direito de “tag along” dos minoritários – mecanismo que garante a eles vender suas ações pelo mesmo preço ofertado ao controlador.

A princípio, segundo uma fonte, não interessa a Klein um acordo em que ele mantivesse a posição atual de 23,7%, mesmo com carta branca na administração da empresa. Isso poderia transformá-lo num acionista em um grupo com capital pulverizado (caso os fundos deixassem a empresa no futuro), ideia que não o agrada, apurou o Valor. Hoje, Klein é minoria no conselho de administração da empresa. O GPA tem a maior parte dos votos no colegiado e comanda a companhia. Já houve discordâncias em relação a estratégias para a Via Varejo, e Klein foi voto vencido.

Se as negociações com fundos não avançarem nos termos pretendidos, Klein deve preferir vender sua fatia ao novo controlador da empresa a fazer uma proposta pelo negócio. Procurada, a família Klein nega ter tido contato com fundos e informa que tem interesse em aderir à venda das ações da Via Varejo com o GPA.

Não é a primeira vez que o empresário considera a possibilidade de reaver seu negócio. Desta vez, estava reticente em razão, principalmente, da resistência dos filhos em investir recursos da família em um nicho em crise por conta do avanço do comércio eletrônico.
2
Até o momento, já apresentaram ofertas não-vinculantes pela Via Varejo as empresas de investimento Bain Capital, Advent, e as redes Lojas Americanas e Alibaba (esta, ligada a um fundo chinês), conforme o Valor antecipou. Procurado, o GPA informou, em nota, que “o processo [de venda da Via Varejo] está em curso e o mercado será comunicado sobre qualquer fato relevante”.

Está sendo considerado pelos interessados o fato de que, quando o GPA anunciou a decisão de rever seus investimentos na Via Varejo, em novembro, o papel estava em R$ 8,14. Desde então, já subiu 37%, puxado em parte pelo vazamento de nomes de possíveis compradores. Uma oferta com baixo ou nenhum prêmio desestimularia a venda por parte dos minoritários.

Mas poderia pesar favoravelmente à permanência desses acionistas o discurso de que uma mudança na gestão da Via Varejo, com o retorno de Klein e de ex-executivos ligados a ele, aumentaria o potencial de valorização da ação – ex-diretores da Casas Bahia já contataram o empresário e se mostraram abertos a retornar.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae