Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

26/05/2017

Missão de Rabello de Castro é emprestar mais

Por Fabio Graner | De Brasília

O novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, terá pelo menos duas missões prioritárias no comando da instituição: normalizar a liberação de empréstimos – cujo ritmo, apesar de um pouco melhor no último mês, ainda estaria abaixo do considerado desejável e inferior aos pagamentos de créditos passados (retornos) – e pacificar o corpo de funcionários, em crise com a antecessora Maria Silvia Bastos Marques, por conta do que considerariam falta de uma defesa mais enfática dos técnicos ante as denúncias que afetam o banco estatal de fomento.

O Valor apurou que um dos objetivos que o governo traçou é garantir que no mínimo o montante de crédito novo seja igual aos volume pagos pelas empresas. Há preocupação com o crescimento do caixa do banco, que já estaria em torno de R$ 150 bilhões, por conta dos retornos maiores que as liberações. Ou seja, ao equilibrar o fluxo de entradas e saídas, o caixa da instituição pararia de crescer e ao mesmo tempo haveria uma ajuda para a economia e um arrefecimento das críticas do setor empresarial, em especial da indústria.

Segundo uma fonte do governo, a pacificação do corpo funcional por si só ajudaria a “destravar” o crédito, levando-o para um nível mais compatível com a economia atual, que ensaia uma retomada. É que, na visão dessa fonte, com a crise envolvendo os funcionários, havia uma dificuldade maior de fazer o banco funcionar mais normalmente.

“Não se trata de fazer nenhuma maluquice, mas o banco estava operando abaixo do que poderia”, disse a fonte, destacando ainda que o trabalho feito por Maria Silvia deixou a instituição preparada para concessões mais elevadas de crédito, em linha com uma atividade econômica em alta moderada.

Ontem, o presidente Michel Temer fez uma reunião com Paulo Rabello e os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo de Oliveira, para dar um alinhamento de trabalho ao novo integrante da equipe econômica do governo.

O tema da “agilização” do crédito do banco esteve presente na reunião. A leitura, segundo uma fonte palaciana, é que o problema da fraca liberação de crédito estaria relacionado a questões operacionais do banco, decorrentes da burocracia que Maria Silvia estava supostamente com dificuldade de superar, e não de uma definição política de contração do crédito da instituição.

Na gestão dela, o banco sempre alegou que a queda nos empréstimos estaria relacionada à baixa demanda das empresas, em função da grave recessão que acometeu a economia desde 2015. Empresários, contudo, em especial da indústria, afirmavam que a contração no crédito da instituição era superior à queda na demanda. O debate ensejou até uma reunião de Temer com Maria Silvia em março para que ela esclarecesse a situação.

Mais recentemente, Maria Silvia se aproximou do setor industrial e houve alguma melhora nos dados de desembolsos do banco, cujo ritmo de queda se desacelerou no primeiro quadrimestre em relação ao dado acumulado em 12 meses.
Em São Paulo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, elogiou a escolha de Rabello de Castro. Ele destacou se tratar de “um economista liberal que acredita no mercado”. Meirelles também elogiou o trabalho de Maria Silvia. (Colaboraram Luciano Máximo e Estevão Taiar, de São Paulo).

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae