Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

22/08/2017

País quer ajuda do Brasil na agricultura

Por Marcos de Moura e Souza | De Luanda

País tem oferta de água, solo e topografia favoráveis para produção no campo

A terra é boa, há boa oferta de água e a topografia ajuda. Mesmo assim, Angola não tem produção de alimentos suficiente e importa a maior parte do que vai para a mesa das famílias. O partido que governa o país há 42 anos diz que agora quer mudar isso. E que quer a ajuda do Brasil.

João Lourenço, candidato presidencial do partido do governo, o MPLA, e favorito na eleição de amanhã, tem repetido em seus discursos que, se eleito, vai estimular a agropecuária e aumentar a produção local de alimentos.

As promessas casam muito bem com os negócios de uma família do interior de São Paulo – uma das mais novas investidoras no campo angolano. “No ano passado, plantamos 2 mil hectares de milho e soja em fazendas em quatro províncias de Angola e este ano vamos plantar, entre safra e safrinha, 3.500 hectares. Toda a produção para ser vendida localmente”, disse Danilo Danelucci, de 31 anos.

Ele é o executivo para África da Costa Negócios, grupo empresarial de sua família, que tem origem na região de Araçatuba. Segundo Danelucci, no Brasil, eles têm fazendas de gado e soja no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e em São Paulo. Em Angola, produzem, com sócios locais, há três anos e crescem a cada ano, diz Danelucci.

Angola esteve em guerra civil até 2002. Sua economia ficou centrada no petróleo, e a agricultura ficou em segundo plano. Há poucos projetos de brasileiros aqui. O mais estabelecido é o da Odebrecht, que produz açúcar e álcool.

Os desafios são diferentes dos do Brasil. Um deles é que as terras aqui não são vendidas; são dadas em concessão pelo governo e para ter acesso a elas é preciso bons sócios locais. Outro desafio é que Angola não tem um centro de pesquisa agropecuária e isso obriga cada produtor a fazer pesquisas sobre melhores sementes e meios de combater doenças locais.

“As vantagens são os preços de venda daqui”, diz Altair Oliveira, que é o gestor de uma fazenda de 10 mil hectares na província do Malange. “Vendemos milho aqui por até três vezes mais do que os preços do Brasil”, diz ele. Apesar de custos mais altos, o que torna a produção agrícola mais rentável é que as safras são vendidas a preços dos produtos importados que chegam ao país – entre eles do Brasil.

A Embrapa chegou a começar uma parceria com Angola, mas os trabalhos foram interrompidos por falta de pagamento.

“O Brasil é um país que é primeiro mundo em pesquisa agrária e essa é uma das áreas que precisamos de cooperação muito grande com o Brasil”, disse Manuel José Nunes Júnior, influente burocrata do partido do governo. “Precisamos também de cooperação, não só em pesquisa, mas também na agricultura.” Danilo Danelucci diz acreditar que esse é um negócio de futuro em Angola. “A oportunidade está aqui.”

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae