Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

28/07/2017

Para aumentar abates, Marfrig decide reabrir unidade em Paranaíba

Por Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

A Marfrig Global Foods, segunda maior indústria de carne bovina do Brasil, decidiu reabrir o frigorífico que tem em Paranaíba, em Mato Grosso do Sul, apurou o Valor. Com capacidade para abater cerca de 700 cabeças de gado bovino por dia, a unidade deverá ser reaberta em cerca de 40 dias. Será a terceira fábrica reaberta este ano.

No início de julho, a Marfrig anunciou a reabertura dos frigoríficos que tem em Pirenópolis (GO) e Nova Xavantina (MT), além da ampliação dos abates em outras quatro unidades localizadas nos Estados de Goiás, Pará, Mato Grosso e Rondônia. Com isso, a empresa estimou no início do mês que sua capacidade de abate seria ampliada em cerca de 25% – sem considerar a retomada dos abates em Paranaíba, que ainda não foi anunciada.

Procurada, a empresa informou que está analisando a reabertura da unidade de Paranaíba. “A companhia reitera que trata-se de uma análise e, neste momento, não há confirmação sobre a reabertura da unidade”.

Até outubro, a Marfrig poderá reabrir uma quarta unidade. A empresa negocia com o governo do Rio Grande do Sul a retomada da unidade de Alegrete, que tem capacidade para abater 700 bovinos por dia. Essa indústria foi fechada em 2016 pela companhia, mas há um acordo com a Justiça do Trabalho para retomar os abates até 31 de outubro.

No caso de Alegrete, a Marfrig confirmou que “estão sendo analisadas as condições de mercado e realizadas reuniões entre executivos da companhia, associações e autoridades do Estado”.

A ampliação dos abates da Marfrig ocorre no momento de inversão do ciclo da pecuária, com maior oferta de bois prontos para o abate. Em 2015, a situação da pecuária era inversa, com retenção de vacas para a produção de bezerros e preços em alta do boi. Nesse cenário, cerca de 50 frigoríficos paralisaram temporariamente os abates ou fecharam entre 2015 e 2016, conforme a consultoria Agrifatto.

A expansão deste ano também acontece em meio à crise vivida pela JBS, que reduziu os abates após a delação de seus controladores. Nas últimas semanas, porém, a JBS vem retomando o ritmo de abates, como o Valor já informou. Anteontem, a empresa anunciou a contratação de 145 funcionários para os frigoríficos de Goiânia, de Senador Canedo e de Mozarlândia, todos em Goiás.

Além da Marfrig e do movimento recente da própria JBS, a Minerva Foods também vem ampliando os abates, com a reabertura do frigorífico de Mirassol D’Oeste, em Mato Grosso. De modo geral, a forte queda do preço do boi gordo neste ano está favorecendo a rentabilidade do setor.

De acordo com levantamento da Agroconsult, a margem bruta dos frigoríficos do país está no maior nível desde 2007. Na parcial de julho, o indicador de margem bruta calculado pela consultoria atingiu 39,4%. Esse indicador considera a diferença entre o preço da carne desossada e o preço do boi gordo na média brasileira. Em geral, o animal é responsável por cerca de 80% dos custos de produção dos frigoríficos brasileiros.

Para Lygia Pimentel, diretora da Agrifatto, a oferta de gado é a principal explicação para a reabertura de frigoríficos. “Estão abrindo unidades em concordância com movimento normal de aumento de oferta de boi”, afirmou a analista.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae