Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

18/09/2017

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), José Pupin, um dos maiores produtores de algodão do país, entrou com novo pedido na semana passada.

Na época, a alegação do TJ-MT era que o produtor e sua esposa, Vera Pupin, não tinham registro como empresários em uma junta comercial pelo tempo mínimo de dois anos exigido pela lei para que a recuperação judicial de uma pessoa física possa ser convertida em jurídica. Segundo o advogado do produtor, José Luís Finocchio Júnior, do escritório, agora esse tempo mínimo foi cumprido e o novo pedido deverá ser deferido.

Nesse ínterim, a recuperação judicial da empresa do produtor, a JPupin, esteve praticamente parada. O processo pouco caminhou. A maior parte das dívidas das empresas do grupo JPupin está no nome dos proprietários e a indefinição sobre se eles teriam ou não um processo separado acabou sendo uma pedra em cima da recuperação da JPupin.

A dívida total das empresas do grupo, incluindo as que estão em nome dos empresários José e Vera Pupin, soma cerca de R$ 1,3 bilhão. Sem o endividamento dos empresários, o valor cai para R$ 92,7 milhões. A dívida em nome dos Pupin está dividida em reais e dólar – R$ 825,1 milhões e US$ 128,4 milhões. Os ativos do grupo e dos sócios são avaliados em aproximadamente R$ 1,4 bilhão.

Para o pedido de recuperação judicial da empresa, já foi apresentado o plano. A assembleia para discutir a proposta, contudo, ainda não tem data prevista. O plano propõe pagamento das dívidas trabalhistas em até um ano.

Para as demais classes, a proposta apresenta duas opções de pagamento. Na primeira delas, o pagamento não sofre deságio, mas o prazo para quitar a dívida é de 22 anos, com um ano de carência total – sem juros ou amortização – e outro ano com carência apenas de amortização. A partir do terceiro ano após a homologação, passa a ocorrer pagamento semestral de juros e principal. A proposta contempla juros de 5% ao ano, após a homologação, e Taxa Referencial.

Na segunda proposta, o plano prevê que haja deságio de 50%, com pagamento em dez anos, também com um ano de carência total e outro ano com carência apenas de amortização. Os juros e a periodicidade de pagamento são iguais aos da primeira proposta.

Desconsiderando as dívidas que estão em nome das pessoas físicas, os débitos trabalhistas somam R$ 830 e os com credores com garantia real, R$ 92,6 milhões. Já as dívidas sem garantia estão em R$ 74,2 mil. Em nome dos empresários, as dívidas trabalhistas somam R$ 1,9 milhão, a com credores com garantia real soma R$ 952,1 milhões, enquanto as dívidas sem garantia estão em R$ 269,7 milhões. Há, ainda, R$ 1,1 milhão em débitos com pequenas empresas.

A empresa, ainda em operação, teve receita de R$ 200 milhões na safra 2016/17 com a colheita de algodão, soja e milho. Para 2017/18, a projeção é de R$ 280 milhões.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae