Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

14/09/2017

RBS E PENÍNSULA AMPLIAM NEGÓCIO DE CERVEJA PELA WEB

Por Cibelle Bouças | De São Paulo

Alexandre Bratt (à esq.) e Rogério Salume, da Wine.com.br: operação de cerveja dobra com aquisição da CluBeer

A Wine.com.br, empresa de comércio on-line de bebidas e dona da WBeer.com.br, fechou nesta semana acordo para adquirir 100% do CluBeer.com.br, serviço de venda de cervejas por assinatura na internet. O valor da operação foi mantido em sigilo pelas companhias.

A Wine.com.br é controlada pela e.Bricks Digital, empresa de investimentos do grupo RBS, dona de 40% do capital, e pela Península Participações, que tem participação entre 30% e 40% na varejista de bebidas. Os fundadores Rogério Salume e Fernando Opitz são sócios minoritários.

A aquisição inclui o site do Clubeer, a base de clientes e o escritório em São Paulo, onde a companhia operava com cerca de 50 funcionários. A equipe do CluBeer vai se juntar à da WBeer.com.br, passando a contar com 480 pessoas.

Como parte do acordo, Alexandre Bratt, que era fundador e presidente do CluBeer, assume o cargo de diretor da unidade de cerveja da Wine.com.br.

Rogério Salume, presidente da Wine.com.br, disse que com a aquisição, a operação de cervejas que em 2016 representou cerca de 6% da receita total da Wine.com.br, passará a representar em torno de 10% da receita prevista para o ano, de R$ 400 milhões. “O negócio de cerveja da WBeer.com.br já crescia, em média, dois dígitos altos por ano. Com a aquisição, a operação de cerveja terá uma expansão acelerada”, afirmou Salume.

Bratt estima que, com a união dos negócios, a Wine.com.br vai responder por 75% do mercado de clubes de assinatura de cerveja no país. O CluBeer e a WBeer competem com outros clubes de assinatura de cervejas, como Beer Pack Clube do Malte, Clube OnBeer, Club da Cerveja, Prova Essa, Beer Monks e Beer Bier Assinatura.

“Em comércio eletrônico é mais difícil saber a posição exata, porque grandes redes varejistas também vendem cerveja pela internet. A Ambev também tem sua venda direta on-line. É um mercado mais competitivo, mas não muda nosso anseio de ser a maior loja on-line no longo prazo”, afirmou Salume.

O executivo afirmou ainda que a Wine.com.br tem como meta liderar o comércio on-line de cerveja no longo prazo e estima chegar a uma receita de R$ 100 milhões em dois a três anos.

O mercado de cervejas especiais no Brasil movimentou no ano passado em torno de R$ 3 bilhões e representou 2% do mercado total de cervejas em valor. Em volume, a participação das cervejas especiais gira em torno de 1%.

De acordo com dados da Nielsen, em 2016, a categoria de cervejas especiais cresceu 11,3% em volume e 16,2% em valor. O Instituto da Cerveja estima que as vendas de cervejas especiais no Brasil estejam crescendo neste ano em torno de 10%, em volume.

A Wine.com.br vai manter alguns profissionais em São Paulo, mas toda a operação de cerveja ficará concentrada em Serra (ES), onde a WBeer.com.br mantém o centro de distribuição e o escritório comercial.

A Wine.com.br é dona da WBeer.com.br desde 2013. Este negócio de cerveja, segundo Salume, conta neste ano com 8,5 mil assinantes e aproximadamente 50 mil clientes, que compravam mensalmente no site. Com a aquisição do CluBeer.com.br, a companhia amplia o número de associados para 20 mil e o número de clientes ativos para pouco mais de 100 mil assinantes.

Salume acrescentou que o negócio de cerveja terá apenas uma marca. “Nos próximos 15 dias vamos decidir se a marca que ficará será CluBeer ou WBeer, ou se teremos uma marca nova”, afirmou. O executivo observou que a companhia começou a fazer nesta semana a integração de processos e equipes, e ainda avalia possíveis ganhos de sinergia com a união dos negócios.

Bratt disse que o grande forte do CluBeer é o clube de assinaturas. O CluBeer foi fundado em 2011 por ele, apenas como um serviço de venda por assinaturas. A loja virtual foi criada no site em 2015, para complementar as vendas. Enquanto o CluBeer tinha cinco clubes diferentes de cervejas (por tipos de bebida), a WBeer oferece apenas um clube.

“Também estamos estudando neste momento se serão mantidos todos esses clubes, ou se faremos uma recomposição de clubes. Vamos avaliar o melhor caminho”, disse Bratt.

De acordo com Salume, as duas empresas mantinham relações profissionais desde 2013, mas as conversas para uma aquisição só começaram no fim de 2016.

O fator de maior atração para a Wine.com.br foi a carteira de clientes da CluBeer. Segundo o executivo, menos de 3% dos clientes do CluBeer também eram clientes da WBeer.

Em termos de rótulos de cerveja, os dois sites trabalham com uma média de 250 a 350 rótulos diferentes. Juntas, vão oferecer aos clientes entre 500 e 600 rótulos de cervejas especiais, nacionais e internacionais.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae