Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

24/04/2017

Rede Tok&Stok muda comando

Por Adriana Mattos | De São Paulo

Com 53 lojas no país, varejista de móveis e artigos de decoração controlada pelo Carlyle atingiu vendas líquidas de R$ 966,8 milhões no ano passado

Luiz Fazzio será o novo presidente da varejista de móveis e decoração Tok&Stok. Atualmente no cargo, Ghislaine Dubrule, da família fundadora, deve ir para o conselho de administração da rede. Será o retorno de Fazzio, ex-presidente do Carrefour – e com passagens por companhias como Grupo Pão de Açúcar e C&A -, a um cargo executivo. Ele deixou o Carrefour no fim de 2013.

Fazzio assume o comando da Tok&Stok em 2 de maio. Os funcionários da varejista devem ser informados nesta manhã da mudança. Nas próximas semanas, o executivo deve encaminhar para os controladores um plano de ação para a companhia. Pouco mais de 60% do capital da rede pertence à firma americana de investimentos Carlyle e a participação restante está com a família Dubrule.

O foco central do trabalho de Fazzio deve ser a recuperação nas vendas da rede, com 53 lojas. A Tok&Stok acelerou a expansão orgânica nos últimos anos, mas a receita perdeu força – em parte, pelo efeito da crise no consumo.

Desde que o Carlyle adquiriu o controle da empresa, em setembro de 2012, por cerca de R$ 700 milhões, foi dado início a um projeto de abertura de pontos. Em quatro anos, foram 18 inaugurações, uma média de uma nova loja a cada quatro meses.

Mas as vendas líquidas passaram a cair, atingindo R$ 966,8 milhões no ano passado, retração de 7,4%, segundo número publicados pela empresa neste mês no “Diário Oficial”. Mesmo com as despesas operacionais crescendo lentamente – alta de 2,4% em 2016 – a retração na receita e o aumento em pagamento de impostos impediu uma melhora no resultado final. O lucro líquido teve uma forte redução de quase 75% no ano passado, para R$ 10,7 milhões.

A empresa começou a sentir a queda na demanda a partir do terceiro trimestre de 2015 – ano em que o lucro registrou recuo de 19%, para R$ 42,5 milhões.

“Até determinado período de 2015, acreditávamos que seria possível passar pela crise sentindo menos seus efeitos, mas perto do fim daquele ano percebemos que não dava”, disse Daniel Sterenberg, diretor do Carlyle no Brasil. “Precisamos voltar a ter receita. Já vimos alguma melhora em março e abril, mas nada tão claro que aponte uma tendência.”

Sterenberg observa que o balanço da varejista no ano passado foi afetado ainda pelo aumento de cerca de R$ 40 milhões na linha de impostos pagos. “Queremos recuperar essa perda em 2017”, acrescentou.

O sócio nega que a mudança no comando, com a entrada de Fazzio, ocorra dentro de um processo de “virada” nos resultados, ou de alguma mudança do modelo de gestão que vinha sendo conduzido por Ghislaine. Fazzio é conhecido no mercado pela reestruturação implementada no Carrefour de 2009 a 2013 (de onde saiu após divergências com a matriz, segundo fontes) e pelo trabalho à frente do Grupo Pão de Açúcar na época de Abilio Diniz. Hoje ocupa cadeira em alguns conselhos, como o da rede de farmácias Pague Menos e do grupo Avenida.

“Não se trata de um ‘turnaround’ ou algo nesse sentido. A busca por um CEO já estava acertada entre os sócios desde que assumimos o controle. Nós e eles [fundadores] concordávamos que, em algum ponto, haveria a saída [de Ghislaine ]. Começamos a buscar executivos no mercado há cerca de um ano.”

É comum a saída dos fundadores do comando de empresas adquiridas por fundos ou gestoras, por meio de um processo de profissionalização. Mas a co-fundadora da Tok&Stok, que iniciou o negócio em 1978 com o marido, Régis, sempre teve um grande envolvimento com a operação e, com apoio do Carlyle, queria se manter à frente do negócio na época.
Há uma expectativa no mercado de que a Tok&Stok avance num projeto de abertura de capital em alguns anos, mas atualmente os sócios não veem espaço para uma operação desse tipo, pelo menos considerando os próximos dois ou três anos.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae