Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

09/08/2017

Restoque fecha 26 lojas e 2 fábricas

Por Cibelle Bouças | De São Paulo

Plano de corte de despesas continua neste semestre, segundo comando do grupo, que agora tem 301 pontos de venda

A Restoque, dona de marcas como Le Lis Blanc, Dudalina e Rosa Chá, voltou ao lucro, após sete trimestres consecutivos de perdas. A companhia fechou 26 lojas, duas fábricas da Dudalina e cortou 35% dos cargos administrativos, ao mesmo tempo em que experimentou um crescimento vigoroso de vendas, com a reformulação de coleções. Como resultado, a varejista fechou o segundo trimestre com um ganho líquido de R$ 8,3 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 12,8 milhões obtido um ano antes.

Para a segunda metade do ano, a companhia pretende levar adiante o plano de corte de despesas e não descarta a possibilidade de fechar “algumas unidades”. “Queremos simplificar a estrutura e colocar foco na operação. Temos investido na melhora dos produtos, em campanhas de marketing e simplificado a estrutura operacional”, afirmou Livinston Bauermeiser, presidente da Restoque, em teleconferência para investidores e analistas de mercado.

A companhia executa um plano para reduzir despesas e voltar ao lucro desde 2016. No ano passado, seu prejuízo foi de R$ 61,6 milhões e a receita líquida somou R$ 1,1 bilhão.

A Restoque anunciou em fevereiro que fecharia 20 lojas neste ano, e demitiria em torno de 100 pessoas da administração. Mas encerrou junho com 26 lojas a menos (ou 8,2% do total de lojas, que baixou para 301) e redução de 277 vagas na área administrativa, ou 35% dos cargos da administração.

A companhia também fechou em julho duas das seis fábricas da Dudalina. A marca detinha quatro fábricas de costura, uma de corte de peças e outra de finalização. As duas unidades fechadas são de costura. “Produtos que não são mais foco da Dudalina, como calças jeans, deixaram de ser produzidos. Outras linhas foram transferidas. Agora a empresa está com a capacidade toda tomada para o segundo semestre”, disse o executivo.

A Restoque reduziu ainda pela metade a área do centro de distribuição de São Paulo. “O centro de distribuição era muito grande para a nossa operação, agora está adequado”, acrescentou.

Em relação às lojas fechadas, Bauermeister disse que as unidades tinham custo alto e baixa produtividade. “Se a companhia verificar que outras lojas têm desempenho abaixo do considerado ideal, pode fechar algumas unidades”, disse o executivo.

No trimestre, as vendas no conceito mesmas lojas (que compara unidades em operação há mais de um ano) cresceram 21,1%, sendo alta de 23,7% na Le Lis Blanc, 27,6% na John John, 18% na Dudalina e 13,8% na Bo.Bô. Para se ter uma base de comparação, a Renner, que tem o melhor desempenho do setor de vestuário, fechou o segundo trimestre com alta de 6,4%.

O valor médio por compra nas lojas da Restoque cresceu 22%, para R$ 604. O aumento, disse Bauermeister, foi obtido com a melhora das coleções e a diminuição de descontos e promoções. A receita líquida da companhia avançou 20,5% no segundo trimestre, para R$ 341,1 milhões. Bauermeister disse ver espaço para um desempenho positivo neste semestre.

As despesas com vendas da companhia cresceram 7,8%, para R$ 70,8 milhões. As despesas gerais e administrativas subiram 17,4%, para R$ 45 milhões, devido ao avanço dos gastos com marketing. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 45%, para R$ 90 milhões. Excluindo o gasto de R$ 3,2 milhões com pagamento de rescisão de empregados, o Ebitda seria de R$ 93,3 milhões.

A Restoque também reduziu a sua dívida líquida em R$ 43,6 milhões, para R$ 717,8 milhões em junho. A dívida líquida passou a representar 2,37 vezes o seu Ebitda. No segundo trimestre de 2016, essa relação era de 3,8. Bauermeister disse que a Restoque tem como meta fechar o ano com um índice inferior a 2, baixando para 1,5 no fim de 2018.

As ações da companhia chegaram a subir 15% pela manhã na B3 e fecharam o pregão em alta de 7,43%, cotadas a R$ 39,75. No ano, a valorização chega a 79,7%.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae