Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

14/06/2017

Santher renegocia dívida com bancos e reestrutura operação

Por Stella Fontes | De São Paulo

Uma das maiores e mais tradicionais fabricantes de papéis sanitários (tissue) do país, a Santher (Fábrica de Papel Santa Therezinha), dona das marcas Personal, Snob e Kiss, está lutando para superar um delicado momento financeiro e se reerguer. O Valor apurou que os esforços imediatos estão voltados ao alongamento de empréstimos e financiamentos com vencimento no curto prazo, que somavam R$ 190 milhões ao fim de setembro, conforme o último balanço disponível.

A empresa tinha ainda R$ 210 milhões em compromissos de curto prazo com fornecedores, frente a R$ 54 milhões em caixa e aplicações e geração de caixa líquido de R$ 40 milhões em nove meses, conforme as demonstrações financeiras do terceiro trimestre – o balanço de 2016 ainda não foi publicado pela Santher.

Segundo fontes da indústria, a companhia já teria iniciado tratativas com grandes bancos privados e públicos em busca de um novo cronograma de pagamento de determinadas dívidas. A renegociação, na avaliação dessas fontes, é fundamental para que a Santher não tenha de recorrer a uma capitalização, com a entrada de novo sócio ou uma oferta de ações, por exemplo. O Valor apurou que, neste momento, a empresa não cogita uma operação dessa natureza.

Numa situação em que conseguisse continuar rolando dívidas, que em parte ainda refletem o investimento de R$ 280 milhões feito na produção de tissue e fraldas descartáveis em 2010, não haveria necessidade de repactuação com os bancos. Mas a crise econômica no país reduziu a oferta de crédito e, assim como outras empresas, a Santher passou a encontrar algumas limitações. Nesse ambiente, a companhia deu início a um processo de reestruturação que envolveu ajustes de estrutura, fechamento de uma fábrica e a volta da família Haidar à direção.

As medidas estão reportadas em atas de reuniões do conselho de administração. Na mais recente delas, realizada em 15 de março, Ruy Haidar, da terceira geração da família controladora, foi eleito presidente em substituição a Ricardo Botelho Bicalho, que chegou à Santher no início de 2013 em mais uma tentativa de profissionalização da gestão da empresa.

As dificuldades da Santher, que é a segunda maior do mercado doméstico de papel higiênico em volume e a primeira em toalhas, foram agravadas pela forte recuperação dos preços da celulose, principal matéria-prima, e a pela desvalorização do real frente ao dólar. Esses movimentos, combinados ao dissídio salarial e aos gastos com energia, elevaram drasticamente os custos de produção.

De acordo com uma fonte do setor, praticamente todos os produtores de tissue no país sentiram os efeitos da crise financeira e da menor oferta de crédito dos bancos, sobretudo as líderes de mercado. Nesse segmento, explica o executivo, os consumidores habitualmente migram para produtos mais baratos em momentos de dificuldade econômica, favorecendo as vendas das médias empresas. Entre as que estão no topo, caso da Santher, o acirramento da concorrência acaba levando a uma política mais agressiva de preços.

Há ainda uma questão estrutural do setor: enquanto o consumo do papel de folha dupla é crescente, o de folha simples vem encolhendo ano após ano, com a migração dos consumidores para o produto mais sofisticado. Hoje, o negócio de folha dupla já superou o de folha simples na Santher, mas até pouco tempo o equilíbrio era outro e isso pode ter prejudicado a empresa, na avaliação de uma fonte. A fábrica fechada no ano passado, em Governador Valadares (MG), era dedicada justamente à folha simples e já estava obsoleta.

Em evento recente da indústria de tissue em São Paulo, o diretor da Anguti Estatística, Pedro Vilas Boas, chamou a atenção para o fato de o consumo desse tipo de papel seguir em expansão, mas com ritmo mais lento por causa da crise econômica. Além disso, a rentabilidade da indústria tem sido afetada pelo acirramento da concorrência – com vistas à manutenção de participação de mercado – e da maior dificuldade de negociação de preços com as grandes varejistas.

Apesar desses desafios, o mercado de tissue segue atraindo investimentos e novos competidores, entre eles a Suzano Papel e Celulose. De meados de 2016 até 2019, segundo apresentação da Anguti, novas máquinas adicionarão 295 mil toneladas desse tipo de papel no mercado brasileiro, ante produção de 1,26 milhão de toneladas e vendas domésticas de 1,25 milhão de toneladas no ano passado.

De janeiro a setembro do ano passado, a Santher teve receita líquida de R$ 1,08 bilhão, alta de 8,3%, com prejuízo de R$ 2,27 milhões. O resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) caiu 15%, para R$ 90,9 milhões, e a dívida líquida estava em R$ 505,7 milhões, com queda de 9,3% ante dezembro de 2015.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae