Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

23/08/2017

SÓCIOS DA CERATTI NEGOCIAM VENDA PARA HORMEL FOODS

Por Cibelle Bouças e Luiz Henrique Mendes | De São Paulo

A Ceratti, empresa de embutidos com sede em Vinhedo (SP), está em tratativas para ser vendida à companhia americana Hormel Foods. Fontes familiarizadas com a operação disseram que o valor da transação é de aproximadamente R$ 350 milhões. A expectativa é que o acordo seja concluído ainda esta semana.

Esse valor, segundo fontes, corresponde a cerca de 11 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) da companhia. A Ceratti é uma empresa de capital fechado, fundada em 1932 e controlada pela família do seu fundador, o italiano Giovanni Ceratti. O escritório Souza, Cescon, Barrieu, & Flesch Advogados assessora a Ceratti na operação. A Hormel Foods é assessorada pela TozziniFreire Advogados.

A fabricante de embutidos não divulga resultados financeiros, mas informou recentemente que obteve receita líquida de R$ 300 milhões em 2016, com a venda de 18 mil toneladas de produtos. Em torno de 70% das vendas são concentradas no Estado de São Paulo. A companhia tem uma fábrica em Vinhedo (SP) e terceiriza parte de sua produção no Paraná.

Procurada, a Ceratti não quis comentar o assunto. A Hormel Foods informou que não comenta sobre aquisições. Em uma apresentação a investidores feita em junho, a companhia anunciou que planejava fazer “aquisições estratégicas” no Brasil, na África do Sul e na Ásia, como parte dos esforços para ampliar a sua operação internacional.

Dona de marcas como Pepperoni Hormel, Applegate, Jennie-O e Black Label, a Hormel Foods vende para 70 países. Da receita global de US$ 9,5 bilhões obtida em 2016, US$ 511 milhões vieram das operações internacionais.

A Hormel Foods é a quarta maior produtora de carne suína dos EUA, atrás de Smithfield (que pertence ao grupo chinês WH), JBS e Tyson. Globalmente, a Hormel está entre as dez maiores, conforme a revista especializada “Pig International”. De acordo com a revista, a Hormel abate 13 milhões de cabeças suínos ao ano.

No Brasil, a Hormel só atuará no processamento de carne suína, ao menos no primeiro momento. A Ceratti produz suas linhas a partir da carne suína fornecida pelo frigorífico Alegra Foods – a sociedade das cooperativas paranaenses Castrolanda, Capal e Frísia (ex-Batavo).

A incursão da Hormel no Brasil marca o retorno de estrangeiros ao segmento de industrializados à base de carnes no país. Na década passada, a Seara, que hoje faz parte da JBS, pertenceu às americanas Bunge e Cargill. Até 2014, a Tyson Foods também tinha frigoríficos de frango no Brasil, mas acabou vendendo os ativos no país à JBS.

Para crescer no país, a Hormel não poderá se restringir à Ceratti, observou um executivo do setor. De acordo com essa fonte, a Ceratti não tem escala suficiente para o porte da Hormel, nem para a dimensão do Brasil, que é o quarto maior produtor de carne suína do mundo. Por outro lado, a Ceratti pode ser o primeiro passo de uma estratégia da Hormel no país.

Listada na bolsa de Nova York, a Hormel Foods fechou o primeiro semestre fiscal com receita líquida de US$ 4,47 bilhões, em queda de 2,7%, e lucro líquido de US$ 446,1 milhões, uma diminuição de 3,1%.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae