Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

25/07/2017

Via Varejo amplia vendas e reduz prejuízo no trimestre

Por Adriana Mattos | De São Paulo

Companhia apurou alta de dois dígitos nas vendas das lojas pela primeira vez desde o terceiro trimestre de 2013

As vendas líquidas da Via Varejo cresceram de forma mais acelerada de abril a junho deste ano, após trimestres anteriores de resultados mais fracos, com alta de 13,5%, para R$ 6,15 bilhões. As vendas totais da operação on-line pararam de cair e cresceram dois dígitos (22,5%). Houve queda de 87% no prejuízo, de R$ 350 milhões para R$ 45 milhões, considerando a operação já integrada, que inclui venda de lojas físicas e dos sites. Os dados foram divulgados na noite de ontem.

Ao se excluir os impactos de um acordo, concluído em julho, entre os sócios da família Klein e do Grupo Pão de Açúcar, envolvendo os passivos da Via Varejo, o lucro líquido ajustado atingiu R$ 19 milhões para uma perda de R$ 488 milhões no mesmo período do ano anterior. O VALOR PRO, serviço de informações em tempo real do Valor, antecipou ontem a expectativa de gestores, que apontavam o lucro líquido ajustado superior a R$ 10 milhões.

A margem de lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) subiu de 1,6% para 3,1% (a taxa ajustada foi de 0,6% para 5,8%). O valor do Ebitda aumentou 117%, para R$ 190 milhões de abril a junho deste ano.

A margem bruta caiu de 33,3% para 31,2% – analistas projetavam taxa média de 30,5%. O grupo é formado da união de Casas Bahia e Ponto Frio.

A empresa ainda relatou um aumento pouco expressivo nas despesas operacionais, de 1,2%, inferior ao ritmo de expansão da receita. Além disso, as despesas financeiras caíram quase 30%, para R$ 305 milhões e as receitas financeiras subiram 22%, para R$ 110 milhões. Houve menor despesa com descontos de recebíveis.

No comunicado, a empresa menciona “ganhos significativos de participação de mercado” e melhoria nas operações. O Valor apurou que parte desse ganho teria vindo de uma perda de mercado da rival Máquina de Vendas.

Foi registrado crescimento de dois dígitos nas vendas das lojas físicas pela primeira vez desde o terceiro trimestre de 2013 – as vendas de “mesmas lojas” (em operação há mais de 12 meses) subiram 10,8% de abril a junho.

A receita total dos sites (que incluem o “market place”, ou shopping virtual) subiram 22,5%, versus queda de 19,1% no ano anterior. No primeiro trimestre, essa operação já tinha crescimento, mas de um dígito (9%). Em 2016, as variações trimestrais eram negativas.

O grupo menciona ainda que registrou “o melhor Dia das Mães dos últimos anos” e “excelentes resultados” no Dia dos Namorados.

A Via Varejo ainda informou dados em que compara os resultados de 2017 com os números do ano passado, mas sem incluir o desempenho da venda online em 2016. Isso porque o processo de integração da Cnova (operação de comércio eletrônico) começou a avançar na segunda metade de 2016. Portanto, no primeiro semestre, a Cnova ainda não fazia parte da empresa. Considerando esse critério, as vendas líquidas do grupo sobem 41,7% de abril a junho. O prejuízo cai de R$ 89 milhões para R$ 45 milhões.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae