Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

15/03/2017

Vulcabras Azaleia volta ao lucro após cinco anos

Por Cibelle Bouças | De São Paulo

A Vulcabras Azaleia voltou a lucrar em 2016 após cinco anos consecutivos de perdas e espera resultados melhores neste ano. O otimismo deve-se às perspectivas de um ambiente mais estável no setor de calçados e de melhora no cenário macroeconômico, com queda na taxa básica de juros (Selic), na inflação e redução nos níveis de desemprego no decorrer do ano.

“Não há uma recuperação nacional do consumo, mas em alguns Estados, como Ceará e São Paulo, as redes varejistas ampliaram as encomendas no primeiro trimestre, em relação ao primeiro trimestre de 2016. A base de comparação é baixa, mas já há uma melhora”, afirmou Pedro Bartelle, presidente da Vulcabras Azaleia.

O executivo considerou que 2017 apresentam incertezas no ambiente político e macroeconômico, mas a companhia vai prosseguir com seu plano de recuperação de vendas e lucro, iniciado em 2015, e que tem garantido melhorias no desempenho da Vulcabras Azaleia desde então.

A Vulcabras Azaleia enfrentou uma crise com a perda de competitividade das marcas Olimpikus e Azaleia, que culminou em 2011 em um prejuízo de R$ 316 milhões e um endividamento de R$ 1,07 bilhão. A companhia fez uma reestruturação com auxílio da consultoria Galeazzi & Associados, que incluiu o fechamento de 20 fábricas de um total de 26 e fechamento de 30 mil postos de trabalho.

No fim de 2014, a companhia concedeu licença para a Grendene fabricar calçados de PVC das marcas Azaleia e Dijean. Em 2015, a empresa concentrou esforços na marca Olimpikus, que representa 80% da sua receita. E reduziu o prazo de entrega dos produtos de 60 dias para 40 dias – mudança que foi bem recebida pelo varejo, acostumado a esperar até seis meses por linhas de tênis importados.

Em 2016, disse Bartelle, a companhia buscou ampliar a distribuição de produtos no Brasil e no exterior e fez um controle rígido de gastos. A Vulcabras Azaleia também investiu R$ 48,4 milhões na modernização do parque industrial, 23,7% mais do que o total investido em 2015. “Em 2017, a companhia fará novos investimentos nas fábricas e no desenvolvimento de produtos”, afirmou o executivo.

Em 2016, a receita líquida atingiu R$ 1,13 bilhão, com aumento de 17,4% em relação a 2015. As vendas no Brasil aumentaram 14,8%, para R$ 987,9 milhões, com maior oferta de calçados esportivos com alta tecnologia a preços mais baixos que dos concorrentes, segundo Bartelle. No mercado externo, as vendas cresceram 39,3%, para R$ 146,3 milhões. A maior parte do aumento veio de vendas para a Argentina. A companhia também ampliou embarques para Peru, Colômbia, Chile e Paraguai.

As despesas operacionais cresceram 7%, para R$ 262 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) aumentaram 43,5%, para R$ 184 milhões. A companhia reduziu a dívida líquida em 19,8% no ano, para R$ 513,9 milhões. A Vulcabras Azaleia fechou 2016 com lucro líquido de R$ 35,6 milhões, ante um prejuízo de R$ 60,9 milhões em 2015.

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae