Abengoa Bioenergia entra com pedido de recuperação judicial

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo A Abengoa Bioenergia Brasil, braço da espanhola Abengoa que possui duas usinas sucroalcooleiras em operação no Estado de São Paulo, entrou com […]

NESTLÉ ELEVA META, MAS FICA NA L’ORÉAL

Por Dow Jones | De Londres Múlti comandada por Mark Schneider sobre pressões de investidor ativista A Nestlé estabeleceu uma nova meta de margem de lucro e anunciou que vai […]

CARF ACEITA OPERAÇÃO QUE REDUZ TRIBUTOS SOBRE VENDA DE AÇÕES

Por Adriana Aguiar | De São Paulo Thais de Barros Meira: decisão é a primeira proferida pela nova composição do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais O Conselho Administrativo de Recursos […]

FISCO TRIBUTARÁ ATIVO AFERIDO A VALOR JUSTO

Por Laura Ignacio | De São Paulo Advogada Vanessa Rahal Canado: solução de consulta pode gerar ações A redução de capital pelo valor contábil não gera à empresa ganho de […]

DIVERGÊNCIA DE JBS E BNDES ESTÁ LONGE DO FIM

Por Graziella Valenti e Francisco Góes | De São Paulo e do Rio Paulo Rabello de Castro, presidente do BNDES: banco parece ter desistido de pedir o cancelamento da reunião […]

VAREJO DE MODA AVANÇA E DÁ SINAIS DE RECUPERAÇÃO

Por Cibelle Bouças | São Paulo Pesquisa do IBGE indica alta de 15,5% nas vendas do setor de varejo têxtil, vestuário e calçados no terceiro trimestre O varejo brasileiro de […]

RBR LANÇA FUNDO E VÊ RETOMADA EM IMÓVEIS

Por Talita Moreira | De São Paulo A RBR Asset, gestora de ativos especializada no setor imobiliário, lançou na sexta-feira seu primeiro fundo negociado em bolsa, vislumbrando uma retomada do […]

PUPIN FAZ NOVO PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Por Kauanna Navarro | De São Paulo Cerca de um ano e meio depois de ter seu pedido de recuperação judicial como “empresário rural” negado pelo Tribunal de Justiça de […]

BANCOS DE FOMENTO DEVEM FINANCIAR BAIXO CARBONO, DIZ ESPECIALISTA FRANCÊS

Por Daniela Chiaretti | De Brasília Rèmy Rioux: “Ideia é ter modelo mais rico, integrando o risco climático e contribuindo para a formulação de políticas públicas” Os bancos de desenvolvimento […]

CCPR QUER RECOMPRAR FATIA DE 50% NA ITAMBÉ

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda. (CCPR), dona de 50% da Itambé Alimentos, quer recomprar os 50% […]

18/08/2017

Walmart aumenta em 60% as vendas on-line nos EUA

Por Anna Nicolaou | Financial Times, de Nova York

Os investimentos do Walmart no mundo digital voltaram a mostrar retorno em seu trimestre mais recente e ajudaram a elevar a receita da maior varejista do mundo em sua disputa contra a Amazon pelo domínio das compras dos consumidores.

A varejista com sede em Arkansans, que fez uma série de aquisições recentes de empresas de comércio eletrônico para tentar alcançar a rival Amazon, anunciou que as vendas pela internet nos Estados Unidos subiram 60% em relação ao mesmo trimestre de 2016. O Walmart conseguiu atrair mais clientes a seus supermercados, apesar das dificuldades enfrentadas por muitos varejistas para tirar as pessoas da frente dos computadores e levá-las às suas lojas.

Os avanços ajudaram o Walmart a elevar as vendas comparáveis do período em 1,8%, o 12º aumento trimestral consecutivo, e a evitar a melancólica tendência geral do setor.

Os altos gastos da empresa e a remarcação de alguns preços para baixo, no entanto, pesaram nas margens de lucro do trimestre.

Os resultados chegam em meio ao ataque à maior fonte de receita do Walmart: a venda de alimentos. Em junho, a Amazon anunciou planos de comprar a rede de supermercados Whole Foods, uma notícia que sacudiu o setor e derrubou as ações do Walmart, do Kroger e de outras redes. Além disso, no mesmo mês a rede alemã Lidl, que costuma agitar os mercados onde opera, inaugurou sua primeira loja nos EUA.

No Reino Unido, o Asda, unidade de alimentos do Walmart, que vinha perdendo clientes para as rivais de baixo custo Aldi e Lidl, anunciou seu primeiro aumento nas vendas trimestrais em três anos, o que deu mais um impulso ao balanço da rede americana.

O Asda divulgou ontem que as vendas de lojas abertas há mais de um ano, excluindo gasolina, subiram 1,8%, pondo fim a uma sequência de 11 trimestres consecutivos de declínio. O Asda atraiu 275 mil novos clientes às suas lojas no trimestre, segundo Sean Clarke, que voltou à unidade como executivo-chefe, depois de trabalhar no Walmart na China e no Canadá.

O executivo-chefe do Walmart, Doug McMillon, disse estar “encorajado” pelo progresso do Asda e destacou a melhora dos serviços de entrega de alimentos e de retirada na loja de compras on-line. “Os clientes vêm respondendo aos investimentos em preço e na experiência [de compra] nas lojas”, disse. “Ainda há muito mais a ser feito, mas estamos na direção certa”. Em 2016, o Asda, apesar do declínio no lucro, distribuiu dividendos de 450 milhões de libras esterlinas (US$ 578,25 milhões) ao Walmart.

Para concorrer contra a Amazon nos EUA, o Walmart trabalha para reforçar seu serviço de entrega de alimentos comprados on-line. Além disso, destaca a importância de sua presença física, já que 90% dos americanos vivem a menos de 15 km de algum supermercado da rede. A empresa divulgou ontem que atualmente entrega alimentos em domicílio provenientes de mais de 900 lojas. O plano é expandir o número para 1,1 mil até o início de 2018.

“A Amazon é um competidor inacreditavelmente bom”, disse o executivo-chefe das operações americanas do Walmart, Greg Foran, a repórteres, ontem, quando também foi anunciado que as vendas de alimentos no trimestre apresentaram a maior alta em cinco anos. O executivo ainda citou a concorrência representada pelas redes Aldi e Lidl. “Gosto do fato de que ambas estão por aí afora.”

Via: Folha de São Paulo — Clipping de notícias de Leônidas Herndl, com informações do país e do mundo, além de finanças, economia e demais temas pertinentes.
< Voltar ao início

contato@leonidasherndl.com.br

© 2014 - Todos os direitos reservados - Leonidas Herndl

Goodae